Blog

Bullying X cirurgia plástica

Procedimentos cirúrgicos como rinoplastia e otoplastia resolvem o problema estético, mas este é apenas a metade do caminho

Da redação

Em época de escola, quem nunca teve um apelido ou ficou conhecido por alguma característica em relação ao seu aspecto físico? Esse cenário já é bem conhecido. A criança ou adolescente é vítima de outros colegas por não se adequar e/ou se encaixar em certos padrões de estética. A partir daí, passa a criar reações de defesa, que na maioria das vezes, desenvolve em complicações psicológicas mais graves, podendo prejudicar o convívio social.

No ramo da cirurgia plástica, é muito comum que o bullying esteja associado a certas condições do corpo, como as “orelhas de abano”, presença destacada de mama masculina, seios e nariz grandes. Pessoas com essas características, normalmente, sofrem violência verbal – às vezes físicas – e humilhações, prejudicando a sua autoestima. Nesse sentido, o procedimento cirúrgico age corrigindo e/ou melhorando a condição insatisfatória, cujo objetivo é o bem-estar físico e social do paciente.

A cirurgia plástica está relacionada a fins estéticos, mas também contribui com outras dimensões para a saúde, por exemplo: mamoplastia redutora – procedimento realizado por meio de uma intervenção cirúrgica que consiste em reduzir o tamanho das mamas para solucionar problemas, como dores nos ombros, costas e pescoço; marcas profundas do sutiã; limitação para a prática de esportes; assadura e irritação da pele, que fica localizada abaixo das mamas.

Para combater o trauma da infância e/ou da vida adulta, as cirurgias reparadoras mais procuradas são: rinoplastia (correção do nariz) e otoplastia (correção das orelhas de abano). Esses procedimentos resgata a segurança do paciente de fora para dentro, mas este não é o caminho de mão única. A cirurgia plástica, sozinha, não é capaz de remover o bullying da vida de uma pessoa. É preciso, também, um acompanhamento de outros profissionais para que o indivíduo sinta-se bem. Busque ajuda!

Certamente, esses procedimentos estéticos são importantes para acabar com brincadeiras desagradáveis e elevar a sua autoestima, entretanto, é necessário pesquisar e buscar uma clínica de cirurgia plástica que seja de confiança. Com isso, evitará aborrecimentos no futuro.

Eleve sua autoestima

Já pensou em ter a boca, o formato do rosto, nariz e orelhas que sempre sonhou? Com os procedimentos de harmonização facial é possível realizar, pois a medicina está em constante evolução.

A harmonização facial é um conjunto de técnicas que visam um rosto simétrico e proporcional. Existem duas vertentes para essa área: os procedimentos não invasivos e invasivos.

PROCEDIMENTOS NÃO INVASIVOS:

→ preenchimento – método usado para aumentar lábios finos, melhorar contornos superficiais, suavizar rugas faciais e a aparência das cicatrizes;

→ MD Codes – é a técnica de preenchimento facial e tem como objetivo restaurar a harmonia dos tecidos na face, que com o passar dos anos vão deslocando-se, formando os sulcos indesejados. Ao volumizar determinadas regiões do rosto, o preenchimento pode corrigir desproporções em lábios, pálpebras e rugas, tornando a face do paciente muito mais jovem.

PROCEDIMENTOS INVASIVOS:

→ ritidoplastia – com o passar dos anos, a pele fica mais sensível a ação da gravidade e vai perdendo a elasticidade, gerando, assim, rugas ou excesso de pele. Conhecida, também, como lifting facial, esse procedimento serve para suavizar os sinais visíveis por meio de um processo cirúrgico.

→ rinoplastia – tem como objetivo alcançar a harmonia facial tratando as mudanças estéticas e funcionais do nariz. As alterações podem ser de origem genética ou pós traumáticas.

→ otoplastia – as “orelhas de abano” podem ser tratadas com anestesia local com um procedimento ambulatorial, em que o paciente recebe alta logo após o procedimento. A rotação da orelha para uma posição mais adequada na cabeça e a correção de pequenas deformidades podem ser alcançadas facilmente, sendo que, quando realizado após os 6-7 anos de idade, com a colaboração da criança, evitará possíveis traumas desnecessários, uma vez que não haverá mais motivos para bullying com o portador de tal deformidade.

→ blefaroplastia – é a cirurgia que busca melhorar o aspecto das pálpebras superiores e inferiores, eliminando o excesso de pele na região e bolsas de gordura. Feito isso, ocorre o rejuvenescimento em torno dos olhos.

Após a realização dos procedimentos não invasivos, o paciente pode voltar a sua rotina tranquilamente, desde que siga as recomendações médicas: “Depois da realização do processo estético, as atividades diárias podem ser exercidas normalmente, mas é preciso seguir as orientações, como exposição ao sol e banhos muitos quentes, por exemplo”, alerta o cirurgião plástico Dr. Rodrigo Bastos.

As cirurgias reparadoras que são mais complexas necessitam de um repouso maior entre sete a 15 dias. Para o cirurgião plástico, em determinadas situações o pós-cirúrgico pode acarretar em graves consequências, uma vez em que o paciente não cumpre com as recomendações necessárias: “Normalmente, eles procuram o melhor jeito para driblar o processo de cicatrização, mas isso acaba ocasionando vários problemas, como cicatriz inestética, o ponto pode abrir e infecção,” destaca Bastos.

Atualmente, as cirurgias plásticas estão mais acessíveis, diante disso, o Dr. Rodrigo Bastos, que possui um vasto conhecimento na área, incluindo, aperfeiçoamento em ritidoplastia em Nova Iorque, alerta que todo atendimento é individualizado: “É importante destacar que o procedimento é personalizado. Para a realização das consultas, é necessário que o paciente vá ao consultório diversas vezes para trabalharmos em conjunto e chegarmos a uma conclusão do processo. Vamos trabalhar para deixar o desejo do paciente em perfeita harmonia, mas vale frisar que cada pessoa tem a sua simetria e autenticidade do rosto.”